Barack Obama - Presidente EUA

A América Latina para Obama – Tema de Monografia

Os resultados de uma pesquisa publicada pelo Pew Research Center sobre o lugar dos Estados Unidos no mundo nos deixa dados interessantes, porque recolhe as opiniões do público em geral, bem como de líderes, neste caso os membros do Council of Foreign Relations, a organização independente mais influente nesse país em temas internacionais. Da mesma forma, é uma excelente fonte de pesquisa para uma monografia ou mesmo um ou mais artigos cientificos que abordem a política internacional dos EUA e sua influência para nós, no Brasil

Obama

Como ocorreu depois da Grande Depressão de 1929 ou a recessão e a retirada das tropas do Vietnã nos anos 70 do século passado, a atual crise financeira global reforçou um sentimento isolacionista entre os estadunidenses, o mais elevado que se registrou nas últimas quatro décadas. Isto pode ser observado também em outros países desenvolvidos como a Espanha, a Alemanha e a França. Há uma grande validade atual para a escrita de uma monografia sobre o assunto.

Também os resultados do estudo de opinião pública deixam claro que o peso mundial dos Estados Unidos reduziu-se, ainda que a maioria considera que este país segue exercendo a superioridade militar no planeta, enquanto no econômico foi superado pela China.

Há um consenso na opinião pública estadunidense, de que é preferível um esquema de liderança internacional compartilhada, mas prima a opinião de que Estados Unidos deve focar sua atenção fundamental a seus próprios problemas, em especial de parte do público em geral.

Para o público questionado, bem como para a maioria dos líderes, há coincidência em que as principais ameaças ao bem-estar da União Americana estão concentradas nos programas nucleares que desenvolvem a Coréia do Norte e Irã.

A isso lhe somam em ordem de importância a instabilidade no Paquistão, o extremismo islâmico, a crise financeira e a mudança climática. Somados a estas ameaças, identificam-se também como problemas mundiais importantes, o Afeganistão, a proliferação nuclear, a guerra, o terrorismo, a violência.

Os líderes estadunidenses que fizeram parte do estudo crêem que a política exterior de seu país deve dar prioridade à redução dos arsenais de armas de destruição em massa, ao terrorismo, diminuir as importações de energia, isto é reduzir a dependência energética de outros países, o combate ao narcotráfico e à imigração ilegal como outros temas nevrálgicos.

O preocupante para a América Latina, é que sua invisibilidade é notável nas conclusões do estudo. Conquanto o Brasil e México, nessa ordem estão presentes, o resto parece não ser de importância para os cidadãos e líderes estadunidenses.

No caso do nosso país, este é identificado como um aliado importante no futuro, ainda que ocupa o terceiro lugar em importância depois de China e Índia. O México, goza de uma opinião ambígua, mais do que nada como aliado econômico e na luta contra o narcotráfico.

O resto da região não está presente como aliado ou prioridade, nem como ameaça ou problema.

Portanto, os governos latino-americanos devem tomar em conta, salvo exceções, que os olhos estadunidenses neste ano de 2010, tão simbólico para a região, estarão olhando antes de mais nada para dentro,e a nível mundial para lugares e problemas longínquos a América Latina.

E você, o que achou?